23 de novembro de 2011

Delirante




Mata-me o desejo.
De mim, faz o que quero,
Apaga este incêndio.
Com o teu corpo,
Colado no meu.
Aprisiona-me um lábio,
Línguas cruzadas.



Mata-me o desejo,
Rouco e louco.
Apaga este incêndio,
De luxúria e prazer.
E nos meus seios,
A tua língua sentir.
Dedos molhados,
Carícias exigentes.



Prova-me.
Apaga este incêndio.
Toco-me e entrego-me.
Mata o desejo.
Entra dentro de mim.
Apaga este incêndio
Que desencadeaste…
…sem fim!

5 comentários:

100Katana disse...

só delirante?? dificil de definir...

S de Sensualidade disse...

Sensações impossíveis de controlar ao ler-te ao imaginar as imagens do meu corpo e do teu, do meu sentir, do teu prazer, da tua insaciavel vontade de me sentires a entrar em ti... todos os centimetros do meu corpo penentrando suavemente em ti... despertas incondicionalmente o meu desejo deliriante de te fazer sentir mulher, de te fazer sentir amada. Recebo os teus beijos em mim, recebo o doce sabor da tua imaginaçao que me percorre o corpo todo...

Fogo disse...

Bemmm... que fotos, que desejo... essa primeira foto ui ui

O Santo Diabinho disse...

O titulo diz tudo, é de facto delirante.
Os caminhos do desejo são inebriantes. Não existe maneira de fugir, prende-nos a alma, sentimos aquela ânsia de os combater mas a tentação é irresistível.

Beijo

Vulcano disse...

Se há escrita que seja um espelho meu, aqui está ela...
Tu descreves com exactidão o que eu gosto!
Principalmente a parte em que pedes que te prove... Adoro!

Beijos